Como lidar com nossas sombras

Segundo a psicologia de Carl Jung, a sombra representa o nosso lado obscuro, os aspectos negativos da personalidade que não aceitamos em nós e projetamos no outro. São pensamentos e sentimentos reprimidos por acharmos feio ou por não gostarmos do que eles representam.

As sombras nascem quando ainda somos pequenos através de crenças familiares e da sociedade e para sermos aceitos aos olhos do outro e garantir o nosso espaço vamos criando uma “persona”, reprimindo nossos sentimentos.

Essa máscara que criamos, esconde um ego ferido. Quando não tolero a raiva dos outros, reprimo a minha. Agressividade pode esconder uma sensibilidade. Euforia ou alegria em demasia pode esconder uma depressão e insegurança pode vir disfarçada de arrogância.

Por que ficamos incomodados com algo no outro que não nos pertence? É somente a nossa sombra reprimida. Ninguém gosta de admitir que tem bloqueios e inseguranças. Lidar com nossas sombras é dolorido e criamos uma máscara social para apresentar aos outros.


Quem mais oprime é quem mais tem dificuldade de lidar com as sombras. Aquilo que negamos em nós, enxergamos no outro e projetamos nossa sombra condenando e reprimindo. O que
condenamos no outro é uma parte nossa que rejeitamos e desonramos. Quanto mais
tentarmos reprimir as nossas sombras, mais forte ela será quando vier à tona. Não aceitar e
reprimir sentimentos nos afeta fisicamente e criamos um padrão autodestrutivo.


Como lidar?


Para conhecermos a coragem, precisamos conhecer o medo. Para saber o que é felicidade, precisamos conhecer a tristeza. O oposto é o que dá sentido à todas as coisas, portanto a sombra é importante para o nosso processo evolutivo.

O que nos confronta, nos ajuda a reagir, aprender e a seguir em frente. Sem a sombra não teríamos o impulso criativo, a inovação e o aprendizado.


Nossa vida é feita de dores, amores e horrores. Precisamos aprender as lições de cada experiência vivida. Esse aprendizado nos fortalece e nos faz crescer como seres humanos.

Acolha e abrace todos os seus pedacinhos, quem você realmente é. Faça as pazes com cada faceta da sua alma. Perdoe-se verdadeiramente primeiro no coração antes de perdoar com a mente. Perceba que na vida tudo é uma oportunidade de crescimento.


Aquilo que você odeia nos outros é uma parte sua importante para autocura e equilíbrio. Sem aceitar todos os seus aspectos, não conseguirá recuperar o seu poder, confiança e realizar seus sonhos, pois se vê de forma infantil, somente querendo aprovação do outro.

Terapeuta Adri Perêira Instagram: @opoderdosnumerosofficial

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *